31 de jul de 2005

Desse Jeitinho é que Aparecem as Malas

Lemos, vemos e falamos sobre os acontencimentos recentes de Brasília. Mas esquecemos de ver o nosso dia a dia. Hoje, Domingo, estava eu tomando café numa padaria aqui na esquina da José Higino com a Antônio Basílio. Nem sempre você está decidido com relação ao que você vai comer ou beber, mas a casa é rigorosa com o cartaz afixado em mais de um lugar: só atendemos com a ficha do caixa. Então o que fazer. Primeiro ir ao caixa e depois vir para o balcão, sentar em uma das cadeiras e fazer o seu pedido. Estava eu quase terminando, quando chega aflito, um guarda municipal. Chama a atendente e pergunta se o refresco é de manga, pede um e mais quatro mini-salgados de camarão. Não vi ficha de caixa. Aí já comecei a entender. Ao sair o funcionário municipal, eu também estava acabando com o meu café, perguntei a moça se ele não precisava de ficha de caixa para fazer o pedido. Ela disse que ele não precisa. Ele deixa os clientes pararem em frente a padaria sem multar.
Vejam só que a corrupção está em todos os lados. Eu não quero discutir ética com o presidente, mas se depender de mim o guardinha ia morrer de fome, nem que tivesse que fechar a padaria e ir trabalhar de empregado em outro lugar. Nestas pequeninas coisas é que o mensalão grassa lá em Brasília e vários políticos dizem que nunca ouviram falar. Se perguntarmos ao chefe deste guarda, se ele sabe que seu funcionário faz esta troca com o dono da padaria ele, com certeza vai responder, que não sabe de nada a respeito disto.

10 de jul de 2005

Salve o Lulla Lau

Fico eu acompanhando na Globonews ou na TV Senado, estes caras de pau, falando um monte de mentira. Há outros, inclusive moradores de palácios, que se fazem de espantado. Como? Mensalão no meu governo? Ora bolas, estamos cansados desta roubalheira. Enquanto isto a saúde, a educação e a segurança estão uma merda! A previdência estão nem se fala. Paga-se sobre um valor e após 35 anos recebe-se metade (52%) deste valor.